A emoção é mais importante do que a lógica

Um cineasta deve se preocupar mais com o impacto emocional da sua obra do que com possíveis inconsistências lógicas. Quando uma obra articula bem os seus efeitos, até mesmo os “furos de roteiro” são aceitáveis.